sexta-feira, 19 de novembro de 2010

A TAVERNA :






vetustos que o álcool vertem
em frondosos chifres de búfalos,
à taverna de ambiente sombrio,
rubrosos vinhos,
tão como o leite a um infante, um deleite.

dançam, a ressoar pomposas,
sacrílegas canções,
sob sepultos dogmas impostos,
póstumos flagelos d'alma... que em suas feições
pela boemia decompostos.


gritam bárbaros, grunhidas heresias,
os deuses abençoam tal noite...
tão simplórias humanas alegrias...

vivíssimas além da morte,
afrente os paraísos,
repudiando infernos.

passos não dados,
incertos,
cambaleados,

pés abertos,
desritmados,
que rumam num delírio,
instantâneo...
eis esguio !
duradouro momentâneo,
voar acima os assoalhos,
- carpintados pinheiros...
à mesa baralhos,
traiçoeiros...
ardís artifícios falhos,
trapaceiros,
cujos ganhos, são pois, pomposos entalhos.

adornados de "dádivas"
pratejadas,
almejadas, cobiçadas...
raparigas apreensivas,
riem ao fitar de soslaio,
olhares ligeiros, como um raio,
lupina destreza,
que infelizes caçam cativas...

esfaimados vís robustos boçais,
que em exacerbos agarram-se,

entornam canecas tais,
cujas cervejas escassam-se.

baderna que pelo ópio orquestrada,
pancadaria pelo jogo motivada,
bestiais humanas naturezas,
de penúrias ilesas,
apenas sendo como são,

às torpes insanidades absortos,
erguidos em si, em calcanhares tortos...

os anjos àquele recanto são mal vindos,
arrogando penas, castigos,
esquecidos...
nem às portas atravessaram.






eis que um poema que eu queria a um bom tempo aqui postar, porém me faltava inspiração pra escrevê-lo... kkk mas enfim, vos concebo este que arrebatou o posto de um dos meus preferidos... \,,/
a primeira imagem é da capa de um album da banda SVARTSOT-mulmets viser, que sempre me fez viajar nos detalhes... e no som que eles fazem...


Nenhum comentário:

Postar um comentário