sábado, 11 de dezembro de 2010

DISTANTE :


e neste dia partira minha amada numa caravana,
além dos montes, desertos, bosques, mares,
falta sua, cria-me uma dor interna, e emana,
como aflitas lágrimas... cadentes, refletidas em imprevistos luares.


creio eu, momento tal ter professado,
num espetáculo que apenas sonolento pode-se assistir,
inaceitável, sufocante fez-me dele desistir...

e o horizonte infindável ter contemplado insone, acordado.


à confabulada, avistada, noturna miriade,
há um bréu interminável, rindo às cantigas da tempestade...
impetuosa senhora esta troveja,

e aos céus, um sinistro negrume esbraveja.


afoga-me angustiante nestas ermas instâncias,
a arte dos pássaros desconhecer,
plainar sob as distâncias...
num devaneio, aguardando o alvorecer.



Nenhum comentário:

Postar um comentário