domingo, 8 de maio de 2011

Rumo da guerra

e as montanhas jamais presenciaram,
o que ali havia acontecido,
e pelos campos, e os trigais
surgiram a marchar
os guerreiros
de semblante entristecido


a luz do sol brilha,
sob a poça de solidão,
o sangue escorre pela trilha
das almas que não mais tem perdão.

gritos se ouviram das esposas
possuindo toda a imensidão,

lágrimas invadiram
o rosto dos filhos
ante a lua, diante as estrelas
num sacrifício que não foi em vão.

a luz do sol brilha,
sob a poça de solidão,
o sangue escorre pela trilha
das almas que não mais tem perdão.





Incrivelmente isso não é um poema... ou talvez sim, seja isso um poema... pois bem, trago-vos uma letra de música que escrevemos durante um ensaio da banda de folk que começamos a organizar pouco tempo... Black day... resolvi postá-la aqui, mesmo que ainda não tenhamos gravado ela, ficou bem legal... os créditos vão também a dois amigos meus que comporam também ... Leandro, e Emerson Coveiro... vlw... se puderem comentem... precisamos de apoio \,,/

Um comentário:

  1. Bateu a curiosidade de ouvir com melodia....

    ; )

    Muito bom!! Forte, reflexivo, consciente e belo!

    ResponderExcluir