sexta-feira, 22 de julho de 2011

18 de março

arrepios crocitam às alcovas do horror,
grotesca fizera-se, a risonha face das trevas
clamando pois, impiedosas, pelo assassínio d' alma
em angústia submersa, ao gelível negro mar de desespero,

abruptamente desperta, num espasmo horrorizada,
à mente fugitiva, e que no assíduo delírio fora afogada...
respirando discórdia, às lamúrias insanas, distorcendo a realidade,
à solitária misteriosa noite, lhe provendo uma estranha terna falsidade;

aterradores impulsos imperam, não os podendo controlar,
na aspereza à situação, se fazendo conjurar,
impedido à inércia, embebido à força, pelo fél do medo,
contemplando o insano tempo respirar... suspirar açoites...

figuram-se aos cantos, sombras, notados espantos,
pesadelos estes tais, tantos são... imitando os prantos...
lágrimas, licores se tornam,
à festa destes, vís assombros, que em taças as entornam...
levemente, assolam libidinosos as garras à pele do pescoço;

e uma sinistra valsa retumba do oculto semblante penumbroso,
do horizonte provinda, o enigmático negrume tenebroso...
jaz meu zelo, ao meu medo... grilhões se arrastam,
os ouço, não se afastam...
sussurros cansados... gritos de ódio inimagináveis;

repentinos intrusos riem-me, palhaços deformados,
terrorosas faces, que a porta destroçaram,
tamancos de espadas, pois bastardos usaram,
ao compassarem sob meus espirituais restos, tombados...
fronte o espelho, sangue e lágrimas se esvaem,
confabulo mil prognósticos deste eu contemplado,
cuja interna e brutal besta, a carne rompeu... gritado,
legara o estilhaçar por meus demônios quais, não mais caem!

desolados campos percursados inebriam,
névoas em ofuscados mosaicos, o tempo todo os recriam...
vagar de encontro ao hediondo torpor, a mim perante,
mergulhar no terror mortal, doce e audaz farsante,
detrás tal face, o nefasto sacrilégio escondendo...
torturam-me os internos partidos cacos... e assim sendo,
eis tal noite insã, meu amargo ópio do pesadelo imponderável,
o deparar... com esse macabro sorriso da atroz escuridão infindável.







Nada de mais a se falar desse poema, só que foi um dos melhores qe eu já escrevi... na minha opinião...

Um comentário:

  1. Nada demais a se falar? Não seja tão modesto, o poema É DEMAIS! Ficou incrível ^^

    s2

    ResponderExcluir