segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Dentre Terras e Dobrões



tu, que estiveste, tão cansado de chorar,
vieste, pois, à tropa, para se libertar,
o anseio por morrer, e encontrar tua luz,
com tanto medo de sofrer, no caminho que o conduz,

e dentre terras e dobrões, pois, tu só podes levar,
a caminho, corações, que breve lhe lembrarão,
da espada e o horizonte,
o olhar de um trovão,
o brilhar à tua fronte,
o navio que a nos deixar,
desaporta pr' a alto mar, sem qualquer extensão,
expedição, eis nenhuma, à longitude sem fim;

sem saber, por quantas águas se passarão,
estas velhas velas, trincados cascos, à imensidão,
de assombrosas ondas, ferozes bestas e ardís,
de riquezas e deleites, que fora o que eu sempre quis,

e dentre terras e dobrões, pois, tu só podes levar,
a caminho, corações, que breve lhe lembrarão,
da espada e o horizonte,
o olhar de um trovão,
o brilhar à tua fronte,
o navio que a nos deixar,
desaporta pr' a alto mar, sem qualquer extensão,
expedição, eis nenhuma, à longitude sem fim;

contemplando ternas faces, sem poder enxergar,
eis-me o vinho, a legar, assombrações despedidas,
ei eu, de o amor, qualquer dia encontrar,
e a bater será o vento ao meu sul,
ei eu, por um clamor, qualquer dia, lutar,
desconhecendo tantos males, no indome azul,
desbravando novas terras
destemendo não voltar,
invadindo praias, serras,
em nome d' uma missão...

estar a cada dia,
num diferente lugar,
fazer à vida, uma valia,
conseguir conquistar,
da noite o afago,
o trago, sem servidão,
aquilo que eu queria...
esquecer minha escuridão!

e dentre terras e dobrões, pois, tu só podes levar,
a caminho, corações, que breve lhe lembrarão,
da espada e o horizonte,
o olhar de um trovão,
o brilhar à tua fronte,
o navio que a nos deixar,
desaporta pr' a alto mar, sem qualquer extensão,
expedição, eis nenhuma, à longitude sem fim;




Não tinha sequer menor ideia de que gostariam tanto dessa musica, da letra, principalmente, de um folk... mas Ok, também curto muito essa letra, é uma das minhas composições próprias favorita. Tela de Vladimir Kush.


Nenhum comentário:

Postar um comentário