segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Vendidas Cabeças






























quem um dia se vender, será um dia vendido,
já dizia um esquecido poeta antigo,
e os quais, ideias entregam em mesas de barganha,
de mercenários, serão regalo arrastado,
atrelado em grilhões de seus fados sombrios.
ofertam cabeças, numa sobrevivência irrepreensível,
famintas temerosas irremediáveis figuras.

caminhando, eu, inderrubável, sem disfarces,
austero em meu seguir nesse caminho,
não é reinado, um leão dormir junto às serpentes.
mago vidente, bandoleiro sofrido, cavaleiro...
o disparar dum gatilho, sabendo... matar-me-ei;
sacrifício, ensimesmado perdura, refletindo,
irão das montanhas, recompensa dadivar,
tantos espectadores espíritos, à plateia aflitos...

começou apenas, o espetáculo,
sempre há algo mais a se mostrar,
haverá mais com o que lutar,
bela a vida, assim por isso dita é...
e naquela noite, todos saberão,
como derrocaram as paredes da arena,
e o luar presente prostrou-se,
somente, um pouco mais a contemplar,
e as flores, sem vaidade, não irão fechar,
interrompidos deuses em afazeres
em aplausos, imensidades tomarão,
numa alegria intensa de trovão,
o melhor ainda está por vir,
nunca houvera tristeza num real final,
sobreviva! a vitória é vindoura,
o explodir do desfecho de tudo
é melhor do que podes tu imaginar.



Apenas existe o final do começo do sempre! Jamais baixe a cabeça e desanime com quaisquer batalhas que venham a acontecer, as enfrente de espírito aberto. Só isso que eu digo, toda negra nuvem se dissipa e a glória retorna, a glória é a real natureza de quem vive com um coração sincero. O melhor sempre ainda está por vir. :)



Nenhum comentário:

Postar um comentário