sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Céu Chumbo
































derradeiro nuncio,
que anuviado se aproxima,
céu, desaba inconstante, imprevisível,
tépidos ventos, tocam-me à face...

tão límpida, que observa o bombardeio,
provindo de acima, longínquo,
conflitos, se estenderam no aguaceiro,
impactando trovejantes explosões,

colossais relâmpagos,
povos... e animais,
renderam-se à intempérie orquestrada,
de novos deuses, por homens tronados,
em abrupta contenda, de uma natureza contrastada.

em tanto desastre, o caos se fez,
migraram muitos, a outros reinos,
sob o mar, fugitivos para o sul,
caçados... "aves!", proferiram tantos...

descendentes dum velho mundo abandonado,
rota se fez, desta mais, mais um destino,
e logravam famélicas chamas que alcançavam,
no inicio da tempestade,
pelo final que ansiavam.




Nenhum comentário:

Postar um comentário