terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Estradas de Planetas II





























labaredas de propulsão, explosão de foguetes,
adrenalina dentre vidros, e fibra ótica,
veloz incalculável, inalcançável, irreversível,
despontar depois de feito, apenas aguarda o final,
exato, equívocos dispensando,
o suar frio, de mãos presas em traje espacial,
com negro fechar de olhos, é quase igual,
- e eis-me aqui, a temer o inesperado
temendo, como se imperasse alguma lei gravitacional.

decolar, de algum lugar,
imenso porte, forte
intento ser,
missão cumprir
de livre conhecer,
sentidos tidos
ditos imperscrutáveis,
incomensurável
lazer afável,
preciso fugir,
ter pra onde ir,
humano em tempos de extinção,
procuro resistir, confuso, em gelada escuridão.

preciso partir, decidir sobreviver,
solitário, desvincular-me do que for,
remanescente, conterrâneo
nenhum a ver,
espontâneo
é o amargo embargo de não se importar,
intentar
povo ou nação alguma recompor...
acreditar
em salvação, senão por dito torpor...

misantrópico, estoico em concepção,
solitário astronauta, desbravador,
o perigo se oculta, em cada constelação,
voraz mordaz rubro gás, de estrela, da luz
velocidade; sigo, intentos de esquecer minha dor.

instância sem paraíso, desprovido da esperança de encontrar,
meu cessar, de fogo, explosiva em lamúrias de combustão,
eis-me a perda, sem rumo, perambulando, inquietante solidão,
consumindo em consumar, de horóscopos a pisar,
a queimar, quebrar, o destino, sem dó, e dolo, a surgir,
de fúria o romper que na raiva dum gritar...
em covarde loucura, abstrai-me longínquo, em meu delir
sob galáxias distantes, errantes planetas,
suas estradas sigo, num clarão, de cometa,
e por mais que cometa, eu, proposital causa de meu falecer,
fenecer não irão, tais notas, sem dissipar, aqui, neste esmo de escuridão.

perdura a loucura, virose restante,
dizer calmo, tardo sombrio,
ouvir-me de mim, subjugando a espécie
da qual provenho, no empenho
do engenho de escapar,
um brado raivoso, descomunal de foguetes,
postergando o espasmo do som, da luz,
num debulhar-se, à velocidade inconsequente...





Nenhum comentário:

Postar um comentário